10 sintomas físicos do estresse

Publicado no site Minha Vida, 03.11.16

O corpo pode dar sinais de que o seu psicológico está sobrecarregado. Queda de cabelo, problemas estomacais e alergias são indícios

homem-ilustracao - Foto: Thinkstock
O corpo pode mostrar se algo está errado com o seu psicológico. Veja como o estresse pode se manifestar fisicamente

Uma pessoa que está passando por um alto nível de estresse é, geralmente, conhecida por sua irritabilidade, nervosismo ou desequilíbrio emocional. Porém, quem vive na pele as consequências desse problema pode notar alguns sintomas que vão além dos aspectos comportamentais, afetando a pessoa fisicamente.

“Aquilo que não conseguimos lidar emocionalmente acaba sendo descarregado no corpo, se expressando através de sintomas físicos”, afirma a psicóloga Marina Vasconcellos. Separações, dificuldades financeiras, pressão no trabalho, luto e a rotina desgastante podem acarretar em um quadro de alto estresse. Abaixo, conheça alguns dos sinais que o corpo apresenta nessas situações:

1. Dificuldade para dormir

O estresse em excesso é capaz de atrapalhar e muito o sono, pois a pessoa não consegue parar de pensar em seus problemas. “Determinados acontecimentos podem ser facilmente vividos e elaborados por alguns, mas não por outros, que não conseguem encarar a questão”, afirma Marina. Isso só traz sofrimento e transtornos para a pessoa.

2. Queda de cabelo em excesso

Notar um aumento na queda do cabelo pode ser um indicativo do estresse, mas tudo deve ser analisado de perto por um profissional. “Os sintomas, isoladamente ou somados, ajudam a avaliar se a pessoa estaria vivendo o estresse”, diz o mestre em psicologia Marcello Accetta, professor de psicologia do Centro Universitário Augusto Motta.

3. Cansaço demasiado

“O estresse obriga a pessoa a parar e olhar para a vida, rever seu ritmo, analisar o que pode e deve ser mudado, aprender a relaxar e se cuidar”, destaca Marina. Quando as noites de sono não são mais suficientes para acabar com o cansaço, algo pode estar errado.

5. Gastrite e úlceras

homem-ilustracao - Foto: Thinkstock

Momentos de estresse elevam os danos causados à parede do estômago, podendo gerar casos de gastrite e úlceras. Marcello alerta que, quanto maior o tempo que a pessoa permanecer convivendo com os sintomas físicos do estresse, mais o problema se agravará, então nenhum sinal deve ser ignorado.

6.Tensão muscular

“Exercícios físicos regulares ajudam bastante a descarregar as tensões, assim como a prática da meditação. Tente estabelecer limite de horas para trabalhar diariamente”, destaca a psicóloga. A tensão também pode se manifestar na mandíbula, fazendo a pessoa até ranger os dentes durante a noite.

7. Imunidade baixa

Quadros de estresse intenso podem baixar significativamente a imunidade, acarretando em diversas doenças. O tratamento, porém, pode estar diretamente ligado à rotina que a pessoa leva, de acordo com Marina: “Se a pessoa conseguir mudar seu estilo de vida estressante e cuidar mais de si, estará se tratando adequadamente”.

8. Dores de cabeça

Apesar de ser algo considerado “comum”, a dor de cabeça não deve ser subestimada. “O estresse está diretamente ligado com a forma como nos relacionamos com nossos objetivos, sonhos, atividades diárias e nosso nível de satisfação com tudo isso”, lembra o especialista.

9. Mudanças de apetite

ilustracao-estresse - Foto: Thinkstock
“Nossas emoções, nossos sentimentos, bons ou ruins, sempre se manifestam através do nosso corpo”, diz o psicólogo Marcello Accetta

Tanto o aumento, quanto a diminuição significativa do apetite, repentinamente, podem indicar que algo está errado. “Ao diagnosticar um paciente com estresse, o mais importante na clínica psicológica é poder compreender como o momento que essa pessoa está vivendo”, aponta Marcello.

10. Tonturas

Ficar sob situações extremamente estressantes pode gerar uma certa tontura, por causa da irritação no labirinto, órgão na área interna do ouvido. “Esse tipo de situação ocorre quando o corpo se manifesta para ‘lembrar’ ou ‘avisar’ que algo não está bem e precisa ser checado”, ressalta Marina Vasconcellos.

Colorir: A febre anti-estresse

Os livros de colorir para adultos já viraram febre no país inteiro, atraindo cada vez mais adeptos

Publicado no Coisas de Jornalista, em 11 de maio, 2015.

Poucos sabem da onde ou quando exatamente eles surgiram, mas todos podem concordar com uma coisa: os livros de colorir para adultos já viraram febre no país inteiro, atraindo cada vez mais adeptos. Só na semana do dia 20 a 26 de abril, dos dez livros mais vendidos no Brasil, cinco eram desse segmento: do primeiro ao quinto lugar, estão, respectivamente, Jardim Secreto (67.993 cópias), Floresta Encantada (59608), Jardim Encantado (9739), Fantasia Celta (9228) e Mãe, te amo em todas as cores (6755).

Esses números, retirados do site PublishNews, impressionam. Afinal de contas, esse fenômeno é bem recente aqui no Brasil e mesmo com pouco tempo, já tem um grande número de fãs. E é claro que as livrarias estão sabendo lidar bem com isso: A da Travessa, por exemplo, fez encontros em algumas das suas unidades para que as pessoas pudessem colorir juntas. Alguns leitores nem precisam desse empurrãozinho: organizam, por si próprios, essas reuniões anti-estresse.

A questão que fica é: da onde surgiu a ideia de resgatar um passatempo da infância para ajudar os adultos a combaterem os sufocos do dia-a-dia? A resposta é dada pela “criadora” desse sucesso, a escocesa Johanna Basford, autora de O Jardim Secreto. De acordo com ela, a ideia surgiu quando seu editor pediu para que ela criasse uma publicação para crianças. Johanna disse criaria sim, mas para um público diferente: os adultos. Nem ela imaginou a repercussão que isso teria.

Em entrevista para o NPR Books, a autora disse que sua caixa de entrada ficou abarrotada de mensagens positivas e de incentivo, além de receber fotos das páginas já coloridas pelos seus fãs. Johanna arrisca dizer qual foi o grande diferencial que fez o seu livro um sucesso: “Você não tem que sentar em frente a um papel branco ou ter aquele terrível pensando ‘O que posso desenhar’? As linhas já estão lá, então é algo que você pode fazer em silêncio por horas, sabe, algo quieto e tranquilo”.

E esse efeito tranquilizador ajuda mesmo. De acordo com a psicóloga Marina Vasconcellos, os mais estressados são aqueles que mais se beneficiam da atividade, já que a ideia é fazer a pessoa parar suas atividades por alguns momentos e tentar não pensar em nada, apenas se concentrar nas cores escolhidas para um visual harmonioso. Esse hobby pode até ajudar a resolver problemas: ao pintar com alguém, o casal pode aproveitar o momento de tranquilidade para conversar assuntos que necessitam de calma e tempo.

colorir3

Apesar das grandes vantagens (afinal, é algo bastante acessível: não requer treinamento ou aprendizado), nem sempre os livros de colorir bastam. Para aquelas pessoas cujo nível de estresse chega a afetar grande parte das atividades diárias, o aconselhável é procurar um profissional, para trabalhar na busca de um auto conhecimento.

“Colorir pode fazer parte do arsenal de combate ao stress, mas não ser chamado de tratamento. O stress tem muitos sintomas que devem ser olhados com cuidado e devidamente tratados para não piorarem e se transformarem em algo crônico ou mais grave”, alerta a psicóloga.

Sertanejos recorrem a ajuda psicológica para manter duplas

‘É fundamental a terapia na vida do artista’, diz Edson, parceiro de Hudson. Depressão está entre os problemas enfrentados pelos artistas.

Publicado no G1 em 08/11/2011

 

Paula Fernandes, Marrone, Victor Chaves, Luciano, Edson e Hudson são algumas das estrelas sertanejas que tiveram que dar uma pausa na carreira para ter acompanhamento psicológico. Luciano, após uma briga com o irmão Zezé, afirmou ter recorrido a tranquilizantes. É hora de o sertanejo sentar no divã e tentar entender o que está acontecendo com seus protagonistas? “Sim, acredito muito que está na hora de revermos valores e entendermos onde está o erro”, responde Edson, que acaba de reatar a parceria com o irmão Hudson.

As duplas sertanejas Edson & Hudson e Bruno & Marrone: separações por conta de problemas pessoais (Foto: Divulgação)

Há duas semanas, apresentaram-se pela primeira vez juntos desde 2009. Eles se afastaram por problemas de relacionamento, agravados por alcoolismo e depressão. Pouco antes de brigarem, os dois irmãos chegavam a fazer 58 shows em 60 dias.

Para a psicóloga Marina Vasconcellos, especialista em terapia familiar e de casal pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), ter cantores falando abertamente sobre a depressão ajuda a tirar o preconceito sobre a terapia. “A carreira atrapalha a vida pessoal. Você fica em função de shows, das viagens. Tem gente que não aguenta não só fisicamente, mas emocionalmente”, diz Marina. “É difícil lidar com a falta de privacidade e de rotina. Chega uma hora em que cansa e quer ser anônimo. Mas é um caminho sem volta. Lidar com fama não é fácil. O dinheiro pode atrapalhar a vida.”

 

 

Estresse pode ser responsável por alguns quilos a mais na balança

É importante tentar descobrir quais os fatores que estão estimulando o problema

Publicado em 15/10/2010 no www.minhavida.com.br

 

Se você anda cansado, desconcentrado, com dores no corpo ou ansioso, cuidado! Esses podem ser os primeiros sintomas de estresse. A OMS (Organização Mundial de Saúde) avalia que 90% da população está sob o impacto do estresse, ou seja, uma epidemia em larga escala.

De acordo com a psicóloga Marina Vasconcellos, uma pessoa estressada fica visivelmente mais irritada, sem paciência, podendo sentir fisicamente alguns incômodos, como dores de cabeça, cansaço exagerado, gastrite, úlcera e insônia. A longo prazo, ele pode ser responsável por alguns quilinhos a mais na balança.

Segundo um estudo feito por profissionais do Instituto Weizmann, de Israel, quando estamos estressados, o cérebro produz uma proteína chamada UCN3, que aumenta a fome e diminui a sensação de saciedade.

De onde vem o estresse? 
Mas, afinal de contas, o que é e como aparece o estresse? A resposta está concentrada no sistema de ação e reação acionado pela relação das pessoas com o meio ambiente.

Desde os primórdios da história do homem, o cérebro desenvolveu por meio de “respostas” em defesa a situações que ameaçavam a integridade do indivíduo. Uma série de reações químicas, com descarga de hormônios, é desencadeada e nos prepara para o pior.

Essas experiências – e as reações que o organismo adotou quando isso ocorre, ficaram gravadas como ruins. Basicamente o cérebro funciona buscando o que é bom e tentando evitar e se proteger do que é ruim.

Quando algum tipo de situação nos esgota, nos preocupa ou nos sobrecarrega, o que ocorre dentro do corpo é quase um preparo para guerra. E como as situações chatas do mundo contemporâneo costumam ser repetitivas (trânsito, excesso de trabalho, pouco tempo para o descanso e etc.), as reações tornam-se corriqueiras e o estresse progride.

Como combater este mal 
Segundo a psicóloga e psicanalista Claudia Finamore, a melhor forma de combater este problema é se conscientizar e aceitar que está estressada. Depois, é preciso mudar os hábitos. “Muitas vezes, na correria do dia a dia, as pessoas não percebem como se sentem. É importante tentar descobrir quais os fatores que estão estimulando o estresse e quais as razões para isso”, afirma a especialista.

Claudia diz que é interessante criar possibilidades de lazer e relaxamento. Buscar atividades que tragam descontração e aliviem as tensões.

Muitos passam a vida toda estressados sem se dar conta disso. “Tentar diminuir o ritmo de trabalho, praticar exercícios, garantir um tempo para o lazer e fazer terapia são boas alternativas para afastar o problema”, afirma a psicóloga Marina Vasconcellos.

Algumas atitudes na sua rotina podem afastar o estresse da sua vida. Manter uma alimentação saudável, rejeitar calmantes sem orientação médica, evitar o fumo, café e bebidas alcoólicas, buscar um sono restaurador, conhecer o seu corpo e sua personalidade são artifícios que enfatizem sua escolha por qualidade de vida e bem-estar. Assim, o cérebro responderá ao estímulo positivamente, liberando hormônios ligados ao prazer. Essa sim é a fórmula mágica da felicidade.