Inversão: como identificar uma das técnicas mais comuns dos homens abusivos

Publicado em UOL/Universa-Relacionamento,22.04.20
Colaboração: Heloísa Noronha

Homens abusivos tendem a gerar dúvidas, sofrimento, dependência e submissão das parceiras - Getty Images

Gerar dúvidas, sofrimento, dependência e submissão nas parceiras — e, principalmente, manipulá-las para que se sintam culpadas e, assim, distraí-las para que não deem tanto peso aos maus-tratos emocionais e psicológicos que lhes infligem. Essas são algumas das atitudes dos homens abusivos, em especial os narcisistas, psicopatas e egoístas. Trata-se de uma prática conhecida como gaslighting.

De acordo com o psicólogo Marcelo Lábaki Agostinho, do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho do IP-USP (Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo), os comportamentos humanos são determinados não só pela mente consciente, mas também, por aspectos inconscientes das pessoas. “Talvez o abusador emocional nem se dê conta do que está fazendo”, diz ele. “Assim, não afirmaria com todas as letras que o que ele quer gerar seja culpa ou sofrimento — mas o efeito do controle exercido gera, sim, esses sentimentos. Nem sempre o homem abusivo faz isso de maneira predeterminada.”

Uma possível explicação é que o abusador deposita na outra pessoa aspectos dele. “Nesse caso, é ele quem depende da parceira, embora não o saiba. E, para continuar vivendo a relação, faz com que ela passe a ser dependente”, afirma.

“Seria uma forma de ele não entrar em contato com a própria dependência, que pode estar ligada a experiências emocionais de muito sofrimento ou traumáticas. E nesse ponto que o termo inversão é interessante, pois invertem-se os sentimentos. O que o homem não quer reconhecer como dele, passa a ser da parceira. Ele ‘entrega’ para ela”, completa Marcelo.

Abusador acha que é vítima de pessoas burras

Para a psicóloga clínica Silvia Malamud, terapeuta de casal e família e especialista em abordagem direta a memórias do inconsciente, na inversão o abusador literalmente inverte verdades e fica com as rédeas de uma relação em que, aos poucos, vai se revelando como funciona em termos de controle e punição.

“As manipulações, em geral, são atuações comandadas por processos inconscientes. Por exemplo, mesmo que o abusador tenha consciência de que não pagou uma conta e que a responsabilidade deveria ser dele pelo fato de ter esquecido, ainda assim poderá ficar furioso acusando a mulher por não tê-lo avisado ou de não ter deixado a conta perto de seu campo de visão, criando um clima insuportável até que as verdades sejam totalmente suprimidas”, explica.

Se ele faz isso de modo consciente? “Não”, diz Silvia. “Ele se percebe como uma vítima de pessoas ‘incompetentes’, ‘burras’ e que ‘não são boas o suficiente’. Mas por que ele é tão irascível assim? Exatamente por causa do seu mecanismo frenético e inconsciente de inversão”, explica a psicóloga.

Ainda de acordo com ela, por causa de um histórico de muito sofrimento e por estratégia de sobrevivência, em algum momento o cérebro do abusador fez uso do mecanismo da dissociação, deixando de entrar em contato com seus aspectos mais nocivos. No entanto, o que fica escondido e ilhado dentro de si ainda está, de algum modo, incomodando.

E, como alívio das tensões, acaba sendo projetado para fora, a ponto de o abusador querer destruir, no outro, aquilo que lhe pertence como significado de dor. “Existe um ódio e um desdém que, em vez de ser direcionado a si mesmo, é invertido de todas as formas e maneiras no outro. O abusador não sente culpa nem remorso, porque o mal está invertido para fora de si e direcionado à parceira”, complementa.

Segundo a psicóloga Marina Vasconcellos, terapeuta familiar e de casal pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), o abusador considera suas atitudes normais. “Ele não acha que faz mal para outro nem que tudo aquilo que comete se trata de abuso. Na verdade, só o próprio bem importa”, relata.

Marina reforça que o discurso é sempre convincente, charmoso e manipulador. “É como se fosse uma espécie de lavagem cerebral executada diariamente. A parceira é sempre errada, equivocada, injusta, ingrata, irritante… Com o tempo, ela acaba duvidando das próprias ações e assumindo o que o outro diz dela”, afirma.

 

Comente, debata, entre em contato

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s