Transar sem vontade. Que mulher não conhece esse “autoabuso”?

Publicado em UOL/Blog Nina Lemos, 29.05.18

A cena é a seguinte. A mulher não está a fim de transar. O namorado/marido, insiste. Ela diz não. Ele insiste mais. Ela cede. Afinal, isso pode virar uma DR, uma briga sem fim. Ela transa sem a menor vontade. Depois, se sente um lixo. Quem nunca?

O “autoabuso”, como é nomeado por psicanalistas ouvidas por esse blog, ou simplesmente “transar sem vontade” ainda é muito comum. E um tabu. Sim, somos todas muito bem resolvidas e empoderadas. Mas e na hora de levar o “não é não”para dentro de casa? A coisa nem sempre funciona desse jeito tão tão “moderno.”

Joguei esse assunto em vários grupos de amigas. Em 99% dos casos, ouvi, “é mesmo, quem nunca”.

“Acho que a gente aceita fazer sem vontade pensando: “assim acaba logo e eu posso dormir. Não me custa tanto mesmo”, diz a escritora F, de 46 anos, em um relacionamento sério há oito. Para ela, a mudança de postura veio com a idade. “Eu pensei isso quando era jovem, hoje eu não tenho paciência.” F. acredita que o assunto não é muito debatido por ser “uma daquelas coisas que estão internalizadas como “fatos da vida’. Homem tem libido mais ativa, blá blá bla.

A psicanalista Mariana Stock, fundadora do espaço de vivência de sexualidade Prazerela, concorda. Isso é muito mais comum do que pensamos, mas não vemos como problema, porque historicamente é normal, faz parte do relacionamento. As mulheres se submetem faz tanto tempo, que isso já foi normalizado.”

Doce na boca da criança

“Todo mundo já fez isso, é normal. Só que ninguém fala, porque sexo é uma coisa que tem que ser super especial, perfeita. Na rotina, na vida a dois, não é assim. Não é legal transar sem vontade, mas muitas vezes já preferi transar a ter uma DR”, diz M., uma produtora de 45 anos, que já morou junto três vezes e é mãe de um adolescente. “A gente se coloca como uma ovelha a ser sacrificada. O sacrifício, no caso, é para evitar uma discussão chata”, ela diz. E completa: “Quanto mais não se fala, mais outras mulheres se sentem um lixo, achando que elas são as únicas que não têm uma vida sexual perfeita. Mas a realidade é essa. Às vezes a gente pensa: “ah, vou dar esse doce na boca da criança para ela parar de reclamar.”

Tranquilo? Nem tanto. “Claro que não é legal. Mas você vê, até o nosso corpo foi feito de uma maneira que faz ser possível fazer o que a gente não quer porque o outro quer. Homem, se não estiver com vontade, não consegue transar, não é? A gente consegue. É absurdo isso”, reflete.

Na maioria das vezes em que transou sem vontade para evitar discussão chata, ela conta que nem pensou muito nisso no dia seguinte. Mas em duas ocasiões a situação já foi traumática. “Meu primeiro namorado tinha uma libido louca, quela coisa de adolescente.Um dia ele encheu tanto o saco que eu abri a perna e disse, com raiva: “quer? Então vem.” E você acredita que ele veio e começou a transar comigo? Dei um chute nele, fiquei com ódio”, conta. O relacionamento, claro, não durou. “Fiz isso como prova mesmo, para ver até onde ele ia. O pior, aconteceu a mesma coisa comigo mais velha, já com 30 e poucos anos. Nos dois casos, terminei. Era a prova de que não me enxergavam, não me respeitavam.”

“Em muitos casos, existe uma incapacidade total de enxergar. E, se o homem acha que a mulher está lá para servi-lo, e a mulher se coloca nessa posição, ela vira uma boneca inflável”, diz a psicóloga Marina Vasconcellos, especializa em atendimento de casais.

“Não enxergar a parceira pode ser sim uma agressão. Mas as coisas precisam ser ditas. Se ela falar que não quer, e o cara ficar magoado, problema dele. Ele que vai ter que lidar com essa frustração.”

Por que que a gente é assim?

Cada um que lide com o seu desapontamento parece o óbvio, certo? Mas ainda não é. “Se você está em um relacionamento onde faz sexo sem querer, é hora de se perguntar: por que estou nessa? Por que me coloco nesse lugar? A mulher foi educada para não se colocar como ser desejante, mas ela tem que aprender a se apropriar da sua própria sexualidade e desejo”, diz Mariana Stock.

Marina Vasconcellos também acredita que a solução passa pelo diálogo. “Se você fala, conversa e não funciona, pode procurar uma terapia de casal. Mas em alguns casos, a solução é acabar com o relacionamento mesmo, não dá para ficar com quem não te respeita”, ela diz. E lembra que o sexo sem desejo é muito comum em relacionamentos abusivos.

A arquiteta A., de 36 anos, viveu isso na pele.

“Vivi um relacionamento de abuso psicológico. O sujeito fazia eu me sentir um lixo. E com o tempo, comecei a acreditar nele. Meu interesse sexual caiu, claro. Aí, eu me sentia obrigada a transar, como se fosse a única parte do meu relacionamento que podia dar meio certo, Tipo, se eu sou uma mulher tão ruim, pelo menos sexo eu tenho que saber fazer.” A. viveu essa situação por seis meses. Depois de muito conversar com amigas, percebeu que vivia um relacionamento abusivo e terminou tudo. “Pouco tempo depois, já estava saindo com outro cara, e transando com vontade, porque sexo nunca tinha sido um problema para mim”, ela diz.

E nem tem que ser.

Luz no fim do túnel

A médica S., 46, casada há 21 anos, é um exemplo de que nem tudo está perdido. “Eu não faço sexo sem vontade. Se não quero, eu e o meu marido preferimos fazer outras coisas, como ver um filme, sair para jantar”, ela conta, dizendo que o “não é não” tem que valer também para dentro de casa. “Antes de casar, tive namorados que ficaram com raiva quando eu dizia que não queria. Mas problema deles, não meu.”

Que sirva de exemplo. Sim, gente, dizer não é possível.

Comente, debata, entre em contato

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s