Aprenda a valorizar o seu melhor

Publicado no Portal Atmosfera Feminina em 13/02/2010

Foto: Reprodução

Você é do tipo de mulher que só consegue enxergar seus defeitos? Pior, já rebate esta pergunta dizendo que só tem defeitos mesmo? Pois está errada. Psicóloga especializada em psicodrama, Marina Vasconcellos diz que, se sua autoestima está abalada, realmente fica difícil admirar seus predicados – e, é claro, eles existem.

“Quando sua autoestima está baixa, você passa a ver apenas defeitos, em você e nos outros. Se viver assim, acaba se tornando uma pessoa frustrada, triste”, avisa a psicóloga. “Há duas opções: colocar-se na posição de vítima ou aprender a lidar com aquilo que não lhe agrada.”

As causas para a insatisfação podem ser muitas e, se esse for um estado crônico, é bom procurar terapia. “Tem gente que nunca foi valorizada por ninguém. Nem pelos pais. Não recebeu elogios. Essa pessoa cresce sem saber reconhecer suas qualidades”, exemplifica Marina. “Quando é algo constante, a ajuda profissional é necessária.”

Mais feliz com o espelho

Digamos que você não goste do tamanho do seu nariz, por exemplo. E ele a deixa infeliz. Será que se você fizesse uma cirurgia plástica tudo se resolveria? Talvez não. “Se o problema real é interno, não adianta corrigir o externo. Logo outro motivo surge e a insatisfação retorna. Tem muita gente feia que não precisa ser linda para ser feliz”, resume Marina.

Também psicólogo, Guilherme Vieira diz que é comum encontrar mulheres que associam a beleza à felicidade. “A ditadura da aparência é muito mais dura entre as mulheres. O estereótipo do perfeito, difundido pela mídia, torna o conforto com a aparência muito mais difícil. Não é fácil ficar de fora do que se considera adequado.”

Segundo ele, a mulher acredita que, se estiver encaixada em um padrão que admira, vai chegar a uma zona de conforto, o que não é verdade. “Como o objetivo, geralmente, nunca será atingido – ou será sempre insuficiente –, torna-se a razão de constante sofrimento. A busca por algo inatingível pode contribuir para o surgimento de transtornos que provocam distorções na percepção da própria aparência, como a bulimia e a anorexia, em casos extremos.”

Marina Vasconcellos defende que não adianta alimentar o sofrimento quando as causas são imutáveis. “Aprenda a conviver com seus defeitos e encare-os com bom humor. E, se você acha que tem algo que a incomoda e que pode ser melhorado – e que essa característica é a verdadeira causa da insatisfação -, mude. Mas, se for o reflexo de um problema emocional, o que precisa ser tratado é o interior”, reforça ela.

Além disso, ao invés de se preocupar com o que não é ideal, valorize as qualidades que você tem. “Observe-se. Se você se olhasse de fora, o que admiraria?”, pergunta Marina. “Receba bem os elogios. Aprenda a dar importância aos detalhes que as outras pessoas apreciam em você”, aconselha.

Guilherme encerra dizendo que é importante dar atenção a outros campos da vida, além do causador de insatisfação. “Será que no trabalho, junto à família ou amigos todos têm a mesma percepção negativa de você? Repare nas opiniões positivas espontâneas. Alguns dos mitos que cada um cria sobre si mesmo podem ser desfeitos. Com isso, é mais simples enxergar o mundo por uma ótica diferente e, possivelmente, mais alegre.”