Dez dicas para evitar que a crise financeira acabe com a relação

Publicado no Terra em 29/04/2009

Quando um dos dois perde o emprego, é fundamental o casal reajustar os gastos (Foto: Getty Images)

Das rodinhas nas mesas dos bares às conversas em família, o assunto é um só: a crise financeira que insiste em bater à porta, geralmente com a perda do emprego.

Nesta quarta-feira, por exemplo, o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) anunciou que o índice de desemprego no Brasil é o maior no mês de março desde 1985. A redução no número de funcionários é a estratégia de muitas empresas para tentar afugentar o quadro de colapso econômico.

E, entre um corte e outro, você ou seu companheiro pode ser uma das vítimas. “O desemprego é a oportunidade de o casal discutir os efeitos da crise”, afirma Gustavo Cerbasi, consultor financeiro e autor do livro Casais Inteligentes Enriquecem Juntos.

Na prática, segundo o especialista, isso significa uma reavaliação dos gastos. “Ajustes radicais podem contribuir para atravessar a crise. Trocar o carro por um mais barato ou o apartamento por um menor são estratégicas eficazes e inteligentes”, afirma.

O que não pode ser eliminado da vida do casal, diz o consultor, são as atividades de lazer. “Eles não precisam sair todos os dias para jantar, mas é importante que mantenham um encontro semanal com os amigos para tomar um choppinho.” Afinal, o isolamento só contribui para baixar a auto-estima e, quando a autoconfiança é deixada de lado, fica ainda mais complicado arrumar um novo trabalho.

A psicanalista, pós-graduada pela USP (Universidade de São Paulo), Léa Michaan compartilha do ponto de vista do consultor. Ela traduz a dificuldade econômica como chance de descoberta de outros prazeres pelo casal. “Uma caminhada ou assistir a um filme em casa podem ser programas bastante agradáveis”, diz.

Mas é claro que estar desempregado não é nada fácil. Ainda mais quando é o homem quem está nessa situação. “Embora a mulher tenha conquistado seu lugar no mercado de trabalho, o homem ainda carrega o estigma de provedor”, diz a terapeuta de adultos, casais e família, Marina Vasconcellos.

Para ela, críticas e cobranças só prejudicam a relação. Em vez de julgar o parceiro, experimente incentivá-lo mostrando quantas conquistas ele já alcançou profissionalmente. Assim, ele se sentirá mais confiante na disputa por uma nova vaga, alerta a terapeuta.

Para ajudar a afastar o fantasma da crise econômica de seu relacionamento, os especialistas listaram 10 estratégias. As dicas podem ajudar a fortalecer a cumplicidade e reforçar o amor. Confira:

1. Ajuste os gastos à nova realidade para não terminar afundado em dívidas;

2. Seja forte e não se deixe abalar por sensações, como frustração e ansiedade;

3. Trace um plano B. Pense em alternativas para reforçar a renda com alguma atividade que saiba fazer. Por exemplo, não há nada de errado em vender os quitutes que você faz como ninguém;

4. Procure manter o equilíbrio emocional, pois a sensação de fracasso impede que se sinta apta para disputar uma nova vaga de trabalho;

5. Reserve uma parte do dinheiro para atividades de lazer, como um choppinho com os amigos uma vez por semana;

6. Dê um tempo a si para se restabelecer emocionalmente. Afobar-se só torna a busca por um emprego ainda mais traumatizante;

7. Apegue-se a resultados positivos conquistados anteriormente para entender que não é um mau profissional, mas que o mercado de trabalho está enxuto em tempos de crise;

8. Afaste quaisquer críticas, cobranças ou julgamentos. Essas atitudes só servem para baixar a auto-estima de quem perdeu o emprego;

9. Reavalie seu potencial. Sua profissão realmente lhe traz prazer? É uma boa hora de virar a mesa para investir em outra carreira;

10. Não desista de encontrar um trabalho. As crises, felizmente, são passageiras.