Como as nossas mães

Contrariando as estatísticas, algumas mulheres têm um filho atrás do outro e se realizam com a casa cheia

Publicado na ISTO É em 06/05/2009

SUPERFAMÍLIA A empresária Claudia (ao lado) é mãe de Chloé, Arthur, Max e Clara (da esq. para a dir.) Foto: Reprodução

A vida na casa de Claudia Junqueira é animada e barulhenta. Na hora de comer, dormir, fazer dever de casa ou brincar, a agitação está garantida com os quatro filhos. A “escadinha” formada por Arthur, 3 anos, Clara, 7, Chloé, 10, e Max , 12, às vezes é engrossada por colegas de escola, que se juntam à bagunça. “Meus quatro filhos foram desejados e queridos”, garante a empresária, de 37 anos. A família de Claudia está na contramão das estatísticas. Enquanto a brasileira tem cada vez menos filhos, ela faz parte de uma minoria que escolheu ter a casa cheia.

Famílias grandes foram regra num passado relativamente próximo. Na década de 70, a taxa de fecundidade era de 5,7 filhos por mulher. Em 2000, caiu para 2,3 filhos, e entre as que têm oito anos ou mais de estudo, 1,6 filho. De acordo com os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), esses números encolheram ainda mais: 1,9 filho por mãe.

O que motiva, então, algumas famílias a irem contra essa tendência? Para Claudia e seu marido, que vêm de lares cheios de irmãos, é uma opção natural. “Desde menina eu desejava uma família enorme”, explica Claudia. “Os amigos dos meus filhos amam vir aqui porque é uma casa pensada para as crianças.” Empresária, ela mo n t o u uma agenda flexível para acompanhar os pequenos de perto e dispensou babá e creche.

Para Marina Vasconcellos, terapeuta de casais e família da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), é essencial ter planejamento financeiro e tempo quando se decide ter uma prole extensa. “Ter muitas crianças é uma festa, mas elas demandam atenção”, afirma. A terapeuta diz que, apesar de exigir dedicação, crianças criadas com vários irmãos tendem a se desenvolver com maior autonomia. Do ponto de vista biológico, o corpo da mulher sai ganhando com a maternidade.

A gravidez reduz o risco de problemas como endometriose, câncer de mama e de útero. “Nesse sentido, quanto mais a mulher engravidar, melhor”, diz a ginecologista Nilca Donadio.

É essencial ter planejamento financeiro e tempo para se dedicar quando se decide ter uma prole extensa

A roteirista e escritora Maria Mariana, 36 anos, passou os últimos dez anos alternando amamentação com gravidez. Conhecida pelo livro Confissões de adolescente, que virou peça e série de tevê, ela está lançando o livro Confissões de mãe, com as reflexões alinhavadas durante as gestações de Clara, 9 anos, Laura, 7, Gabriel, 5, e Isabel, 2. “Eu sempre quis muitos, mas fui querendo um depois do outro”, conta Mariana, que acha mais fácil criar vários filhos do que um só. “Eles aprendem juntos.” Depois de praticamente dez anos vivendo em função dos filhos, ela volta ao trabalho como roteirista da Rede Record e diz que saiu ganhando, apesar das críticas. “Achavam que eu estava deprimida, que tinha desistido”, diz Mariana.

Em países com taxas de natalidade mais baixas, proles numerosas ganham, no mínimo, olhares desconfiados. Michelle Lehmann, 38 anos, secretária de uma firma de advocacia em Chicago, é mãe de oito, com idades entre 13 e 2 anos, e criou a comunidade online  http://www.lotsofkids.com, para ajudar pais com muitos filhos a trocar experiências. “As pessoas acham que você é irresponsável, ignorante ou fanático religioso por ter uma família maior”, conta Michelle. Olhares enviesados são comuns quando os Lehmann saem de casa.

A partir da quarta gravidez, a secretária passou a ser tratada de modo diferente. “Eu apoio o direito de não ter filhos ou de ter família pequena”, diz a secretária. “Só gostaria que eu e meu marido fôssemos mais respeitados por acreditarmos ser maravilhoso ter vários filhos.”

CONFISSÃO DE MÃE Maria Mariana foi criticada pela pausa de dez anos, em que priorizou os filhos (Foto: Reprodução)

Além do preconceito, esses pais enfrentam o fantasma de não darem atenção suficiente para todos. “Meus filhos são muito diferentes entre si, mas faço um esforço considerável para dedicar tempo a cada um deles”, diz Michelle. A professora do Departamento de Psicologia e Filosofia da Educação da Universidade de São Paulo (USP) Silvia Colello afirma que a questão da atenção nunca se resolve de forma coletiva. “Os pais têm que ser críticos”, ensina. “Aquilo que você aprendeu com um filho não serve para aplicar ao outro.” É essa dedicação incansável que torna verdade o ditado: “Em coração de mãe, sempre cabe mais um.”